quinta-feira, 30 de junho de 2011

Pablo Neruda - Se Cada Dia Cai

"Se cada dia cai, dentro de cada noite,
há um poço
onde a claridade está presa.

há que sentar-se na beira
do poço da sombra
e pescar luz caída
com paciência."

Tic, tac!

Metade do ano!
O semestre se foi e a sensação é que o tempo corre!
Cada ano parece mais curto, cada mês parece passar mais rápido, cada semana parece que nos falta tempo de fazer todas as atividades previstas, cada dia, bom cada dia escorrega! As horas perecem minutos e os minutos parecem segundos!
Quando pequenos, meus irmãos e eu, esperávamos ansiosos pelas Datas Comemorativas e/ ou Feriados, ainda mais quando de lambuja eram motivos de "presentes". Primeiro, esperávamos pela Páscoa, arrumávamos os ninhos para o coelhino, faziámos máscara e tudo o que o imaginário de criança permite. Passada a data, parecia que o tempo "congelava", contávamos os dias no calendário para a chegada das férias de iverno, porque aí ficávamos em casa aprontando, junto aos primos e amigos. Aí, dava uma aceleradinha, até a Semana Farroupilha, que adorávamos. Poxa, daí para frente era dose! Os dias se arrastavam até o Dia das Crianças, data X, onde aguardávamos para ver se íamos conseguir aquele presente esperado. E aí meus amigos, depois somente com reza, o Natal ficava distante demais!
Por mais atividades que pudéssemos ter, escola, esportes, aulas de música, catequese, atividades junto ao mercado da família, horas e horas de tempo livre com os amigos etc, parece que o tempo permitia tempo para vivermos, tempo para tudo!
Agora crescemos e não temos mais tempo, nem mesmo para pensar sobre o tempo!
Será que isso é crescer? Ou será simplesmente virar adulto? E para eu ser adulto "competente" preciso correr e não ter tempo para nada?
Será que foi o tempo que encurtou ou o que fazemos com ele que mudou?
Lembro que eu sempre dizia que eu não queria crescer, nunca eu soube explicar o porque, mas, dizia. Será que sabia que virar adulta seria chato?
Virar adulta não é o mesmo que crescer, tem gente grande, adulta, mas, que ainda não cresceu.
É muito bom observar, sem a pressa de adulto é claro, uma criança brincar...o compasso de nossos relógios deveria ser o do relógio de uma criança enquanto brinca, rsrsrrsr...Mas, não, atropelamos a vida!
Ora bolas, precisamos sempre mais e mais, até porque, quem são as crianças para nos ensinarem algo?rsrsrssr...
Pois, a mim ensinam, eu as observo, diariamente, "sugo-as", tento assim crescer, ser um ser humano melhor!
Ana Paula

terça-feira, 28 de junho de 2011

Volto a falar em Política ...

Não adianta fugir!
Somos seres sociais, essencialmente, ligados a política. Muito me aborrece o discurso..."Eu odeio política... odeio falar de política... não me interesso por política" etc, discurso mentiroso ou banhado por total ignorância sobre o universo político.
Não há escolha...será que gosto ou não gosto... poxa, é sobre a minha vida, sobre a tua vida, sobre a nossa vida, a forma como vamos viver, o que poderemos ou não fazer, sobre o que vamos ou não dispor, sobre quanto vamos pagar, pelo que vamos pagar e como vamos pagar, até sobre nossa liberdade. E ainda tem gente que não se interessa?
Qual é a tua companheiro? Vai deixar a vida correr e os outros resolverem tudo por você?
Sei que tens opinião, sei que sabes o que quer, acontece que não fomos ensinados a falar e sim ensinados a calar. Nossa democracia é recente, recente demais, mas, está na hora de começarmos a nos interessar pelas questões políticas de nosso país. Pois, as decisões refletem diretamente no nosso dia a dia e no legado que deixaremos aos nossos filhos. Afinal, que país queremos? Para que trabalhamos? O que buscamos?
Acredito, que todos, todinhos, possuem opinião formada sobre esses questionamentos e isso chama-se ideologia, que é baseada em princípios e valores morais, que dependem da história pessoal e personalidade. Geralmente, encontramos grupos de pessoas com ideologias de sociedade parecidas, ou seja, com objetivos em comum. Neste momento, teoricamente, distinguem-se as ideologias partidárias - dos Partidos Políticos.
Contudo, acredito que somos essencialmente, existencialmente, seres Políticos, embora, tenhamos negado nosso interesse pelo assunto (até mesmo por decepção). Nosso país precisa, nós precisamos, com urgência, da politização do povo. Enquanto nos mantermos anestesiados, obsoletos em frente a televisão assistindo às barbáries, ao caos social, ao sucateamento dos serviços públicos, não vai haver mudança, pois, não há pressão/ cobrança para que aconteça.
Sinceramente, acredito num futuro próspero, mas, com engajamento do povo, dizendo o que quer, o que precisa, para onde quer que vá o seu dinheiro (dos impostos), governantes escolhidos pelo povo para servir ao povo.
Não sei nominar isso...Sonho? Utopia? Ingenuidade? Ilusão? Ou será, simplesmente, crença nesta nação!
Ana Paula

Carga!

Para alguns de menos, para outros demais!
Não há uma medida exata do que cada um deve ou não carregar na vida, ou pelo menos não estamos cientes disto. O que se apresenta, muitas vezes, são cargas pesadas e de difícil carregamento para alguns, já para outros, vida fácil, cheia de benefícios e facilidades.
Entretanto, confirmo o ditado popular "não largamos na porta do outro o que veio para a gente carregar" , assim como, o ditado que acabo de criar, rsrsrs... os outros não devem pagar pelo meu pedágio! Ou seja, os outros não tem culpa por eu ter que carregar tamanha carga.
Tem carga que carregamos a partir de escolhas, daí nem podemos discutir, o negócio é tentar resolver quietinha. Porém, tem cargas que desabam em nossas cabeças, assim, do nada, de uma hora para outra, contrariando toda a lógica, a tal "bagunça" que a vida faz e essas dá vontade de chorar, espernear, chutar o balde, demoram mais tempo e energia para resolvermos, quando conseguimos resolver é claro!
Se a vida não sorri sempre para mim, vai ver é justamente aí que se encontra o que tenho que aprender nesta passagem... aprender a sorrir para a vida mesmo assim!
Se encararmos o problema de forma positiva, talvez tenhamos um retorno mais positivo que esperamos e ainda resguardamos os demais dos "respingos"  de mau humor, rsrsrsrsr.
Para tudo tem um jeito, menos para uma coisa "aquela".
Ana Paula

"...Pede um sorriso e paz no coração..."

O refrão de uma música já diz "pede um sorriso e paz no coração", é do que precisamos, somente disso, nada mais do que isso!
Se está tudo bem com o coração, torna-se inevitável o sorriso, se somos transparentes (e é isso que esperamos das pessoas), nosso rosto reflete nossas emoções e as emoções são contagiantes, tanto as positivas quanto as negativas.
Entretanto, devido à alguns acontecimentos que fogem ao nosso controle, ou seja, quando a vida "bagunça" com os planos da gente, nem sempre conseguimos paz no coração, mas, com certeza, buscá-la deve ser nosso objetivo maior.
E, mesmo que as coisas não andem bem, um sorriso não custa nada e como disse, emoção que contagia!
Afinal, os outros não tem culpa e muito menos devem pagar pela nossa carga.
Ana Paula 

segunda-feira, 27 de junho de 2011

Branqueou!

Quem cedo madruga pode assistir um show da natureza, a geada mandou ver e branqueou o horizonte!
Apesar de eu não ser muito fã do inverno, preferir estações mais amenas, confesso que presenciei um espatáculo durante o trajeto até Nova Esperança do Sul.
Se dependia de geada para as bergamotas adoçarem, bom, irão ficar um mel, rsrrsrsrs!
Oh, inverno gaúcho, mas, faz frio aqui no sul tchê!
Pena que para boa parte dos brasileiros, pelo menos dos gaúchos, o inverno não é doce, nem bonito, nem romântico, muito menos visto como um espetáculo.
A vida não pode ter sabor de doçura quando se passa frio e/ ou fome, o inverno torna-se loooongo e um grande inimigo.
Na falta de agasalhos para proteção ao frio, já vi muita criatividade, oriunda da necessidade é claro!
Já vi a utilização de jornais, sacos de estoupa entre as poucas peças de roupas, sem falar nos inventos nas "casas".
É amigos, gosta de inverno quem tem vida boa ou quem nunca presenciou ele "atacar" um irmão!
Poxa vida, quando ele ataca uma criança, ou um idoso, enfim, alguém com menos condições de suprir suas próprias carências, é sacanagem!
Penso, as vezes, que o frio é mais uma provação à raça humana (resistência, criatividade, compaixão, solidariedade etc). 
Ana Paula

sábado, 25 de junho de 2011

...

" Ja perdoei erros quase imperdoáveis,
Tentei substituir e esquecer pessoas inesquecíveis.
Já fiz coisa por impulso,
Já me decepcionei com pessoas quando nunca pensei me decepcionar, mas também ja decepcionei alguém,
Já abracei pra proteger, já dei risada quando não podia,
Fiz amigos eternos, amei e fui amado, mas também já fui rejeitado, fui amado e não amei
Já gritei e pulei de tanta felicidade, já vivi de amor e fiz juras eternas, "quebrei a cara" muitas vezes!
Já chorei ouvindo música e vendo fotos,
Já liguei só pra escutar uma voz,
Me apaixonei por um sorriso,
Já pensei que fosse morrer de tanta saudade, e tive medo de perder alguém especial (e acabei perdendo)!
Mas vivi!
E ainda vivo!
Não passo pela vida.
Bom mesmo é ir a luta com determinação, abraçar a vida e viver com paixão, perder com classe e vencer com ousadia,
Porque o mundo pertence a quem se atreve e a vida é "muito" para ser insignificante."
(Charles Chaplin)

Para pensar...

" Preocupe-se mais com a sua consciência do que com sua reputação. Porque sua consciência é o que você é, e sua reputação é o que os outros pensam de você. E o que os outros pensam, é problema deles. "

Fantasmas do passado ou Histórias mal acabadas?

Volto a falar em escrever nossa própria história...mas, que nem sempre conseguimos porque lá pela metade a vida bagunça!
Então, quando isso acontece os capítulos ficam abertos, sem encerramento e de vez em quando a história desses capítulos voltam aos nossos pensamentos, como fantasmas do passado. Passam a ocupar nossa mente, geralmente, nos horários da madrugada. Também, não há muito o que fazer com eles, fazem parte do passado e o que passou...passou!
Carpe Diem é a saída, assim minimizamos a habilidade que a vida tem de bagunçar com nossos planos e ficarmos, assim, com histórias inacabadas. Contudo, não damos espaço para num fututo, sermos assombrados por fantasmas, rsrsrs.
O Presente, não por acaso o chamamos assim, o ganhamos diariamente e é a única oportunidade real de fazermos algo que preste.
Ana Paula

sexta-feira, 24 de junho de 2011

Apagar não dá, o negócio é virar a página!

Confesso, faço muita força para apagar da minha vida a passagem por São Pedro do Sul, onde trabalhei por mais de 4 anos como educadora especial. Entretanto, estou me convencendo de que não irei conseguir jamais tal feito pois, páginas escritas não podem ser simplesmente apagadas, já fazem parte de nossa história, constituem capítulos bons ou ruins, entretanto, já escritos.
Ora! Há de ter um jeito de eu esquecer daquela gente, de seus mal feitores e de tudo o que passei lá (nem vale a pena contar).
Já sei! A estratégia será virar a página!
Não é assim que fazemos com os livros? Viramos a página e começamos um novo capítulo!
Boa, é isso aí menina!
Mas, peraí...e o que fazer com as lembranças boas? São bem poucas, resumem-se a momentos com colegas muito especiais e com amigas que me acolheram em um "hotel" da cidade, essas amizades não enchem uma mão...bom, mas, são especiais e sinto saudades, lembro delas ao dar aula, nas refeições, ao contar uma história ou uma piada,rsrssr...de cada uma carrego um pouquinho de lembrança boa. Se carrego um pouco delas, vai ver é porque consegui aprender algo e nem tudo foi ruim!
Poxa vida!Como é complicado, preciso virar a página porque houveram mais momentos ruins do que bons mas, a saudade faz, de vez em quando, eu folear o livro e voltar, reviver e sentir que pelo menos um pouquinho, somente por ter conhecido essas pessoas, valeu!
A gente consegue escrever somente um pouco de nossa própria história, porque lá pela metade a vida bagunça com ela, bom daí temos que ter "criatividade" para reescrevê-la.
Ana Paula

Carpe Diem

Carpe Diem é uma frase em latim de um poema de Horácio, e é popularmente traduzida para colha o dia ou aproveite o momento. É também utilizado como uma expressão para solicitar que se evite gastar o tempo com coisas inúteis ou como uma justificativa para o prazer imediato, sem medo do futuro.

Acredito, que a interpretação é, sem dúvida, individual, a minha é...Aproveite o dia, cada segundo, cada minuto, cada suspiro e cada sopro de vida!
Ana Paula

quarta-feira, 22 de junho de 2011

As incertezas, os medos!

Pronto, estou pronta!
Podem me tirar tudo!
Bagunçar com toda minha vida novamente!
Casa, bens materiais, empregos, vida acadêmica, projetos de continuidade nos estudos, vida financeira, essa merda do acidente etc, já passei por tudo. Podem me tirar tudo de novo se quiserem mas, que mexam somente comigo!
Por isso peço e se soubesse rezar, rezaria pedindo...quero saúde aos meus pais!
Quero tê-los perto de mim, quero poder ir vê-los toda manhã, ainda de pijama e ouví-los dizendo, "- Vai te vestir guria!" Quero almoçar todos os domingos e sei lá quantos outros dias da semana a comida que só o meu pai sabe fazer. Quero pedir um mate antes mesmo de eu ter escovado os dentes, mesmo sabendo que eles vão negar,rsrsrs! Quero cortar grama juntos, fazer programa de índio e ir pescar domingo a tarde. Quero sentar e sonhar, comprar e vender carros, terrenos, casas, barcos etc, sim, porque meu pai e eu somos grandes empreendedores, rsrsrsrrs! Quero planejar as férias, mesmo que elas depois acabem nem acontecendo. Quero continuar do lado deles, sugando-os, cada segundo, cada minuto, porque é bom demais, mesmo quando minha mãe está naqueles dias, rsrsrsr!
Quero, quero, quero...na verdade só quero uma coisa, estar com eles por muitos, muitos anos!
Então, se existe mesmo o cara aí de cima, nem sei por qual nome chamar, mas, enfim, olha aqui para baixo e protege meus velhos.
Ana Paula

terça-feira, 21 de junho de 2011

Resmungava mas, sabia sobre o que escrevia!

"As pessoas não estão neste mundo para satisfazer as nossas expectativas, assim como não estamos aqui, para satisfazer as dela.

Temos que nos bastar... nos bastar sempre e quando procuramos estar com alguém, temos que nos conscientizar de que estamos juntos porque gostamos, porque queremos e nos sentimos bem, nunca por precisar de alguém.

As pessoas não se precisam, elas se completam... não por serem metades, mas por serem inteiras, dispostas a dividir objetivos comuns, alegrias e vida."
Mário Quintana

Adoro!

"...E que fique muito mal explicado.
Não faço força para ser entendido.
Quem faz sentido é soldado."
Mário Quintana

segunda-feira, 20 de junho de 2011

Um pouco de Pablo Neruda...

É Proibido

É proibido chorar sem aprender,
Levantar-se um dia sem saber o que fazer
Ter medo de suas lembranças.

É proibido não rir dos problemas
Não lutar pelo que se quer,
Abandonar tudo por medo,

Não transformar sonhos em realidade.
É proibido não demonstrar amor
Fazer com que alguém pague por tuas dúvidas e mau-humor.
É proibido deixar os amigos

Não tentar compreender o que viveram juntos
Chamá-los somente quando necessita deles.
É proibido não ser você mesmo diante das pessoas,
Fingir que elas não te importam,

Ser gentil só para que se lembrem de você,
Esquecer aqueles que gostam de você.
É proibido não fazer as coisas por si mesmo,
Não crer em Deus e fazer seu destino,

Ter medo da vida e de seus compromissos,
Não viver cada dia como se fosse um último suspiro.
É proibido sentir saudades de alguém sem se alegrar,

Esquecer seus olhos, seu sorriso, só porque seus caminhos se
desencontraram,
Esquecer seu passado e pagá-lo com seu presente.
É proibido não tentar compreender as pessoas,
Pensar que as vidas deles valem mais que a sua,

Não saber que cada um tem seu caminho e sua sorte.
É proibido não criar sua história,
Deixar de dar graças a Deus por sua vida,

Não ter um momento para quem necessita de você,
Não compreender que o que a vida te dá, também te tira.
É proibido não buscar a felicidade,

Não viver sua vida com uma atitude positiva,
Não pensar que podemos ser melhores,
Não sentir que sem você este mundo não seria igual.

Enquanto isso...

Enquanto isso...
Observamos, paradinhos, as filas nos pronto socorros, nos postos de saúde, pessoas, seres humanos, esperando em corredores, em bancos, em cima de macas, implorando por atendimento médico (as vezes nem tendo tempo para espera).
Escolas sucateadas, sem estrutura física e humana, faltando professores e funcionários, ou quando os tem, desmotivados, mal remunerados, sobrecarregados.
Bom, será que precisamos falar em segurança pública...ou seria insegurança pública? Baixo efetivo, falta de material, de viaturas ou quando tem, resumem-se nuns lixos, verdadeiras sucatas, efetivo mal remunerado e desmotivado, sem treinamento.
Estradas marcam recordes em número de mortes, faltam fiscalização, sinalização e condições mínimas de tráfego.
Sistema prisional, esse sim é uma beleza, não se pode agora mais prender ninguém, pois, não tem onde colocar mais delinquente, rsrsrs! E de lá de dentro conseguem controlar cidades inteiras pelos celulares, através das visitas de amigos, familiares e até mesmo advogados, está tudo bem, estão mais protegidos lá dentro para ganharem sua grana do que aqui fora.
Estão de sacanagem com a gente, continuamos aqui esperando solução, quem tem a caneta são eles, mas, um dia, daqui uns meses, eles irão precisar do nosso indicador, porque agora não é mais com a caneta que decidimos, rsrsrsrsr!
E, enquanto isso, vamos nos preocupar com as obras para "Copa do Mundo", afinal, temos que dar alegria para o povo!
Sacanagem!
Politização do povo já!
Ana Paula

"As regras foram feitas para serem quebradas"

Concordo em partes, pois, há tanta regrinha absurda que acredito que foram feitas, desde o princípio, para serem quebradas!
Claro que precisamos de regras, de controle social, para que possamos viver em sociedade!
Entretanto, vamos pensar um pouquinho, quem são os encarregados em "fazer" essas regras, que formalmente chamamos de leis?
Olhem para dentro do Legislativo, olhem para a "Casa do Povo", olhem por quem somos representados!
Nossa! As poucas vezes que resolvem "trabalhar", geralmente é em benefício próprio, aprovam umas "bestices" de projetos, que viram leis e que nós, cidadãos, temos que acatar.
Por essas e tantas outras razões, as leis de nosso país deixam de ser cumpridas, respeitadas, ou seja, as regras são quebradas. Mas, quebradas porque foram feitas, na maioria das vezes, por completos idiotas, sem estudo e discussão sobre o tema.
Contudo, culpa nossa, cada povo tem os representantes que merece, afinal, os colocamos lá. Assim sendo, temos que cobrar ações pelo menos inteligentes e para o bem da maioria. Acontece, que só lembramos deles daí quatro anos quando batem a nossa porta novamente pedindo voto. Vamos até a urna, votamos e nunca mais acompanhamos o que ele está fazendo e se está fazendo o que prometeu, nós somos mais sem vergonha que o camarada.
Há necessidade urgente de politização do povo brasileiro, enquanto isso não ocorrer, ficamos a mercer de qualquer carinha bonita na televisão ou do(s) Tiririca(s), rsrsrsrrs...
Ana Paula

O baile da vida!

O blog está com um pouco mais de um mês, fiquei sem escrever apenas dois dias, esses últimos dois dias, pois estou sem palavras. A vida me deixa sem palavras!
Talvez, pelo fato de eu não ter aprendido a dançar as músicas tocadas no baile da vida, acabo indo ao chão. Nunca fui boa dançarina, também nunca me avisaram que precisava ser, mas, tenho percebido que temos que ter muito jogo de cintura para não cair. O ditado de dançar conforme a música se aplica, o problema, que em determinadas situações a vida não me mostra nem qual será a música, ela simplesmente me derruba.
Cair e levantar! Está ficando um pouco chato isso, chato demais, nem tenho tido tempo de levantar e vou para lona novamente.
Se é uma dança, quero aprender a dançar se for um jogo, quero as regras, mesmo sabendo que irei perder no final!
Ana Paula

sexta-feira, 17 de junho de 2011

Nova Esperança!

Acredito, que vivemos um momento ímpar na história do município de Nova Esperança do Sul.
Tenho a oportunidade e orgulho em acompanhar, como servidora pública municipal , esforços reais para a retomada do crescimento econômico, com diversificação da economia e incentivo a pequena e média empresa na criação de vagas/ postos de trabalho.
Contudo, observamos a taxa de desemprego cair, consequentemente, a diminuição dos problemas sociais e a melhoria da qualidade de vida do povo.
Hoje, faz-se juz ao nome "Nova Esperança" porque, após período de crise da economia couro calçadista, presenciamos período de absoluto crescimento, o que faz criarmos expectativas num futuro próspero.
Ana Paula

Um legítimo dia de inverno gaúcho, ou melhor, santiaguense!

Frio e chuva!
Tomara que não se conserve assim.
Prefiro inverno sem chuva, frio, mas,  seco, enfim...
Gosto de sol!
Pode até ter geada, pode mandar vir o vento.
Mas, tem que ter sol!
Não gosto de dias cinzas...
Em dias cinzas, ficamos tristes, encerrados, nos tornamos "ilhas" e praticamos o "umbigoísmo"!
Prefiro, sempre, inverno com sol!
Ana Paula

quinta-feira, 16 de junho de 2011

O "academicismo", cuidado!!!

A academia é importante?
Para minha vida sim! Não consigo ficar longe da universidade, mas, nem tão perto que ela possa terminar comigo, rsrsrsrrs...Peraí que explico!
Ela transforma o sujeito, seu jeito de pensar, olhar para o mundo e resolver problemas. Objetivamente, é para isso que ela serve.
Entretanto, tem gente que acredita que por ter um curso superior é melhor que os outros. Coitado de quem pensa assim, tão pequeno e ignorante é seu pensamento... curso superior no Brasil é uma questão de oportunidade, oferecida, ainda, à uma minoria, à uma elite (apesar, de termos avançado muito nos últimos anos). Quem consegue concluir um, representa uma minoria populacional que teve acesso ao ensino superior, num país de analfabetos funcionais. Neste caso, até concordo que a pessoa tem sim um diferencial, mas é na parcela de responsabilidade social que deve assumir, porque através do seu trabalho, da sua atuação, deverá propor formas de resolução de problemas, que não são poucos, em nosso país.
Contudo, tem gente que acha que o diferencial é outro...que é melhor que as outras pessoas e tem maior valor na sociedade. Quem pensa assim, é porque faltou à primeira aula, mas, não na academia, em casa mesmo, que é o lugar onde aprendemos a ser "gente". Não aprendeu que não valorizamos pessoas pelo que elas tem ou pelo cargo que ocupam, mas, sim deixamos que ocupem espaços em nossas vidas pela forma como se portam, seu caráter, personalidade, princípios, valores etc. E isso meus amigos, não encontramos, construímos ou nos apropriamos na universidade, isso vem de berço.
Antes de você ser especialista, mestre ou doutor, sugiro que aprenda a ser gente, gente como a gente!
Ana Paula

quarta-feira, 15 de junho de 2011

"Só sei que nada sei..."

Onde andam as certezas, as verdades que nos traziam segurança?
Por onde andam os princípios, os valores que norteavam nossos caminhos?
Por onde andará a confiança, o companheirismo que baseávamos nossas relações?
E a sinceridade e tranparência, que tão logo percebíamos nos olhos do semelhante?
Não sei para onde fugiram e se um dia realmente existiram!
"Só sei que nada sei..."
Ana Paula

terça-feira, 14 de junho de 2011

Gelado!

Está gelado!
Geou e está por congelar!
Assim, estou sentindo o clima de hoje.
O clima tempo e o clima sentimento.
No inverno as pessoas ficam ilhas, não gosto mais de ilhas.
Prefiro o verão, ficamos mais soltos, coloridos e juntos.
O frio é pretexto, desculpa, para nos fecharmos para a vida. Tem gente que leva isso a sério e o coração congela de verdade.
Acho a obra divina bem bolada, mas, discordo com o umbigo, não precisávamos ficar com aquela marquinha depois de desligados da mãe, porque tem gente que passa a vida toda olhando só para ela e esquece de olhar para os outros.
Em vez de egoísmo devíamos chamar de umbigoísmo, rsrsrsrs...
Agora com o frio, como andamos encolhidos, é difícil saber quem está com frio e quem está olhando para o próprio umbigo,rsrsrsrs...
Bah, quanta viagem, que doideira... justifico tudo isso porque estou triste com cenas de egoísmo irresponsável, de pessoas que tem atitudes inconsequentes, que prejudicam as demais e seguem suas vidas como se nada tivessem cometido.
Ana Paula

segunda-feira, 13 de junho de 2011

15 meses!

Sei que tenho que virar a página, mas, o dia 13 é uma droga!
Não passo um mês sem lembrar do dia 13 de março de 2010 (na verdade não passo um dia sem lembrar) mas, o dia 13 de cada mês me judia.
15 meses!
E eu ainda não estou bem...
Imaginem que uma criança poderia ter sido gerada e já estaria com 6 meses...
E eu ainda não estou bem...
Sei lá, imaginem o que vocês fizeram nesses últimos 15 meses...
E eu? Tratei de sobreviver!
E eu ainda não estou bem...
Sei que vocês devem estar pensando, porque é o que me dizem quando me encontarm: - Tem que agradecer por estar viva!
Mas, puta merda, que preço tem estar viva? Será que um dia vai acabar essa ladainha? Já paguei todos os pecados que sabia que tinha e os que ainda vou ter, na vida passada, nessa vida e na vida que vem.
Acredito na ciência mas, é muito duro quando ela desiste de você!
Todos os recursos que a medicina proporciona, já experimentei e minha perna não cicatriza...
Ninguém sabe explicar a razão e nem o que fazer!
Contudo, continuo com um dreno, sendo trocado 3x por semana e esperando por providências "divinas".
Vivo um momento de revolta com Deus.
Seria este o grande aprendizado?
Se for, bom, acho que vai demorar para eu ficar bem!
Ana Paula

Política ou Politicagem?

Bom meus amigos, os que me conhecem não vão admirar-se ao ler, tenho uma quedinha por política!
Entretanto, tenho renegado meu interesse, abafado minha militância e enrolado minha bandeira, inclusive, última vez que a vi estava mofada. Penso as razões dessa desilusão e logo me vem ao pensamento a palavra "politicagem", que acreditem vocês, é diferente de política.
Politicagem é o que mancha, suja e envergonha nosso país!
É o que assistimos nos noticiários e como já é tão rotineiro nem paramos mais para ouvir, daqui a poucos dias nem lembramos mais o nome ou número do sujeito, votamos e damos poder novamente a ele. Ora bolas, estamos vivendo numa cultura de que "todos são assim", "todos fazem sujeira e fica por isso mesmo", a cultura da impunidade!
Politicagem é diferente de política!
Política, para mim, é você acreditar num "modelo" de país que queremos (sociedade, educação, saúde, trabalho, habitação etc), identificar um partido político que lute pelas mesmas ideologias que você e aí sim, debater propostas, projetos de governo etc.
Acredito no despertar de lideranças ainda nos movimentos estudantis, movimentos de base, Grêmio Estudantil não serve só para organizar festa junina e sim promover palestras, debates, ouvir corpo discente, elaborar projetos e propor para direção das escolas, trabalhar noções de cidadania etc.
Na universidade firmamos ideologias, quando a sociologia e a filosofia nos ajudam a definir o que acreditamos, o que buscamos, que legado queremos deixar, qual futuro queremos ao nosso grande país. A participação em Diretórios Acadêmicos também é importante, como escuta da realidade, integração das diferentes áreas do conhecimento.
Outra forma de despertar lideranças é no engajamento comunitário, projetos sociais, ou seja, vivenciando as necessidades daquela comunidade.
Dessa forma, política encanta!
Fico me perguntando, em época de campanha, de onde saíram aquelas ricas carinhas maquiadas da TV. Quem são eles? De onde vieram? Para que vieram? No que acreditam? Realmente acreditam ou daqui 4 anos já estão acreditando em outra coisa?
Não entendo esses que ficam em cima do muro, hora estão num partido, hora em outro, não compreendo coligações (municipais, estaduais e federais muitas vezes, completamente diferentes), que droga, ou você acredita ou não acredita!
E para isso não precisamos brigar se penso diferente de você, nem haver perseguição política aos que não aderiram ao projeto do que ganhou ou benefícios pessoais aos que banderaram.
Afinal, a máquina pública deve estar a serviço do povo, independente da cor da bandeira que ele levantar, isso é democracia!
Que bobagem a minha falar em democracia para esses descamisados que nem conhecem a ideologia de seu partido, que hoje é um, mas, que amanhã, se for conveniente (a ele, somente a ele) poderá ser outro.
Nunca fui filiada, minha militância sempre foi solitária, mas, desde muito cedo acompanhei a história da fundação e crescimento do partido, quando estudante, acompanhava, solitariamente (eu e minha bandeira) algumas manifestações e até festejos populares. Gosto do povo na rua, do povo politizado, sabendo o que quer...o poeta já dizia..." a praça é do povo".
Povo ignorante é massa de manobra! Como gostam de desviar nossa atenção, conseguindo abafar canalhices com jogos, preparativos para copa do mundo etc.
Por essas e tantas outras razões que minha bandeira está enrolada, guardada e mofada!
Ana Paula

domingo, 12 de junho de 2011

Os irmãos...

Hoje é aniversário da minha irmã, eu sou a mais velha ,27 anos, depois meu irmão ,26 anos e a caçula que hoje completa 23 anos. Consigo lembrar do dia em que meus pais chegaram com ela em casa, dos choros, das brigas, das brigas na escola, das apresentações de balé, dos primeiros namorados, das muitas amizades que teve, das "guerras" com os professores da educação básica, do grêmio estudantil, do vestibular, dos estágios acadêmicos, da postura independente, correta, justa...o tempo escorregou e acho que ela cresceu sem que nos déssemos por conta.
Nossa caçula final do ano torna-se bacharel em direito! Devíamos ter desconfiado desde o princípio, com aquela personalidade forte, só poderia pender para o Direito, não haveria outra possibilidade, outra escolha profissional que se encaixaria tanto com seu jeito de ser. Contudo, a vida passa e é tão difícil pararmos para admirá-la.
Meus irmãos estão escrevendo a história deles e estão próximos a mim, sempre estiveram, mas, não consigo entender como somente agora consigo perceber detalhes tão bonitos em suas trajetórias.
Aline, Nica, Pinto...sei que tu dificilmente irá precisar de mim, pois é forte, guerreira e abre as porteiras geralmente sozinha mas, saiba que estou aqui, na torcida, para que tudo, tudinho, continue dando certo. Te amo!
Ana Paula

sábado, 11 de junho de 2011

Dia dos Namorados!

Todo dia é dia, dia para dizer, declarar e manifestar o que sentimos. Entretanto, já que estipularam um dia específico, que ele não seja apenas comercial. Que os mais tímidos aproveitem para revelarem sentimentos ou que para aqueles relacionamentos que estão "morninhos" que este dia seja como um sopro na brasinha da paixão e reacenda os corações.
É, sei que é amanhã o tal dia, mas, como tu sabe amor, sou ansiosa demais para esperar.
Te amo!
Basta...pois, o amor é tudo que consigo oferecer. Nele está compreendido respeito, dedicação, carinho, amizade, sinceridade, comprometimento, companheirismo, alegrias, tristezas, conquistas, descobertas, objetivos comuns etc. Acredito que conservamos boa parte desses sentimentos, mesmo depois de 9 anos e 6 meses.
Bjo,
Ana Paula

quinta-feira, 9 de junho de 2011

Assim vocês me encabulam!

Mas, tchê! Assim vocês me encabulam...
Abri minha caixa de cartas, rsrsrrs, agora a pouquinho, escondidinha que nem piá roubando bergamota, encontrei uma barbaridade de carta dos amigos. O assunto era o tal blog, que tinham gostado, que andam lendo, que devo continuar escrevendo etc. Confesso, tchê...me assustei! Já tinha visto ali no canto um punhado de gente que tinha espiado, mas, não sabia que tinham gostado, até porque não escrevo para gostarem, escrevo sei lá porque razão...ou melhor, sei sim...Escrevo para organizar a anarquia que virou a minha cabeça!
Fico bem faceira, que nem guria de vestido novo, se o que tenho escrito tem feito os amigos refletirem, pode ser que mais alguém por aí também esteja com os "miolo" meio solto, rsrsrsr, que tenha batido com a cabeça assim como eu e ficado meio perdido nesse mundo véio.
 A gente fica meio vermelha com elogios, mas, do fundo do coração, meus agradecimentos pelas cartinhas e pelas espiadas!
Um  abraço bem chinchado!
Ana Paula

O poder de adaptação do ser humano!

O horário do almoço, com colegas, algumas já amigas, provocam reflexões que não se esgotam apenas aquele curto momento do restaurante.
Em uma de nossas conversas, comentou-se que a tudo acostuma-se.
Concordo, em partes, pois, não gostaria que o ser humano caísse no conformismo, comodismo ou algo do gênero. Entretanto, nosso poder de adaptação é, sem dúvida nenhuma, inexplicavelmente, admirável.
Somos capazes de nos adaptarmos às condições mais adversas, dolorosas etc.
Pessoalmente, estou em "processo de adaptação", rsrsrsrr...
Já me adaptei e/ ou acostumei com a rotina hospitalar, com a dor, com a necessidade de terapia, de revisões e de futuros procedimentos.
Busco ainda a aceitação de meu corpo com limitações, de meu emocional com fragilidades e, também, da reconstrução da minha vida em outra cidade.
Certamente, terei que me adaptar, porque neste caso, não tenho escolhas a fazer. No dia do acidente, talvez eu tenha tido a escolha, não lembro porque apaguei, mas, devia ser viver ou morrer, como estou aqui, devo ter escolhido viver e agora tenho que me adaptar às consequências desta escolha.
Apesar de tudo, de toda a dor desses quase 15 meses, acho que acertei na escolha e estou certa de que me adaptarei!
Brincando um pouquinho... não sei se escolhi viver ou se cheguei lá em cima (ou lá em baixo) e me mandaram de volta, podem ter percebido que o incômodo ía ser muito grande, me deram uns chutes e me mandarm descer (ou subir), por isso me encontraram toda quebrada,rsrsrsrsrsr...
Ana Paula

Para pensarmos...

“... é preciso que tenhamos o direito de sermos diferentes quando a igualdade nos descaracteriza e o direito de sermos iguais quando a diferença nos inferioriza...”
 (Boaventura de Souza Santos)

quarta-feira, 8 de junho de 2011

Amor incondicional!

Existem alguns tipos de amor, se é que dá para assim nos referirmos, amor entre um homem e uma mulher, entre amigos, entre irmãos, entre pais e filhos. Não sei dizer se há maior ou menor, mais ou menos intenso, sei apenas que são diferentes.
Mas, o tal amor incondicional, acho que só existe na relação mãe/ pai e filho(a). Não importa as condições, as circunstâncias, as dificuldades, os obstáculos, os emprevistos etc, este será eterno e imensurável.
Ainda não fui contemplada com a maternidade, mas, espero num futuro não muito distante ser. Não sei se irei conseguir ser tão MÃE quanto a que tenho. Contudo, se eu conseguir, ao menos, manifestar um pouquinho do amor e do exemplo que tenho recebido dos meus velhos, nossa, meus filhotes já serão muuuuuuito amados. Tenho modelos aos quais tento me espelhar, entendo e sinto o amor incondicional deles por mim e tentarei manifestar aos meus. Entretanto, o desafio é grande, será muito difícil chegar aos pés do meu pai e da minha mãe. Amo, admiro e quando crescer quero ser um pouquinho de cada um, rsrsrsrs... o problema é que não cresço, a maturidade "não me chega"!
Ana Paula

terça-feira, 7 de junho de 2011

Responsabilidades!

Sou responsável única e exclusivamente pelos meus atos e/ ou pelas minhas omissões! Não admito que tentem me culpabilizar pelo que não me diz respeito.
Carrego a certeza, de que tudo o que estiver ao meu alcance, irei realizar. Lutarei pelas coisas que acredito porque tenho, primeiramente, um compromisso comigo mesma, depois com os demais, porque cumpro com um papél social.
Se durante a caminhada eu cansar e por um deslise, um equívoco vier cometer ou de uma tarefa me omitir em fazer, assumirei total responsabilidade sobre meus atos.
Contudo, jamais será possível que eu responda pelo comportamento de outra pessoa, pois, tais comportamentos não são passíveis de controle alheio, nem deveriam ser, porém, que cada um se responsabilize por suas atitudes.
O que acontece é que gente sem caráter, ou melhor, mau caráter, com a bagagem vazia de valores e princípios morais, sem ética ou respeito pelo semelhante, incompetente por formação e incapaz por natureza, acabam, por necessidade, utilizando seu demasiado tempo culpabilizando outras pessoas por suas falhas.
Claro! Ótima saída!
Cresçam...a vida é bem maior que isso! E, nosso tempo, escasso demais para ficarmos jogando com a vida, façamos a nossa parte!
Ana Paula

Sem palavras!

Não quero escrever hoje, estou sem inspiração ou talvez sem palavras. Sim, pois, tem fatos na vida da gente que nos deixam sem palavras, sem ação...
Quanto mais vivo, mais me surpreendo com o ser humano. Por isso que as vezes penso em fazer concurso para o IBAMA, não menos prezando tal instituto é claro, mas, é que está tão difícil entender as pessoas que talvez o caminho seja se afastar delas,rsrsrsrs...
Olha que ironia, acabo de ficar surpresa comigo mesma, com o que acabo de escrever, logo eu que acredito tanto no potencial humano.
O ser humano é uma caixinha de surpresas, nem  sempre agradáveis.
O difícil é ter que admitir isso!
Chega, não quero mais falar...
Ana Paula

segunda-feira, 6 de junho de 2011

Daí sim né!

Mas, tá louco né tchê!?
Hoje, perto das 13h, tocou o telefone da casa dos meus pais, meu pai foi atender e era uma daquelas tentativas de golpe. Uma mulher gritava desesperadamente, se passando por mim, dizia estar toda quebrada e, logo em seguida, um homem pedia 10 mil reais pelo resgate. Meu pai só se manteve tranquilo porque logo minha mãe chegou à sala e disse que recém havia falado comigo ao telefone.
Meus amigos, onde vamos parar? Estamos nas mãos desses delinquentes, o sentimento é de insegurança, impunidade, impotência etc.
Fico pensando se toda essa energia e inteligência utilizada no crime fosse direcionada para resolução de problemas sociais, sim, porque esses caras são uns gênios ou nós que somos muito, mas, muito ignorantes. Pois, a cada segundo inventam uma forma diferente de burlar a justiça.
Nós é que nos gradeamos, amedrontamos, vigiamos etc, enquanto isso, eles estão "de boa". Direitos Humanos? Só servem para eles! Onde ficam os nossos direitos à liberdade, ao patrimônio? Nós, que pagamos os impostos, tentamos ter uma vida digna e ainda mantemos vagabundagem quando vão tirar férias, por uns poucos dias, na cadeia, sim porque recebem benefício (dinheiro) por isso, dinheiro que sai do nosso bolso.
O que é isso minha gente, inversão absurda de valores!
É revoltante, angustiante e preocupante, não sei que mundo deixaremos para nossos filhos!
Ana Paula

Trajetória!

Como tenho tentado encontrar respostas para os "porquês", tenho refeito minha trajetória. Esse refazer, mesmo que em pensamento, traz a tona momentos bons, momentos nem tão bons, conquistas, perdas, pessoas que tive afinidade, pessoas que tive antipatia, projetos que só tive tempo de sonhar com eles etc.
Entretanto, o que traz mais angústia, é perceber que EU trazia minha vida cronometrada até os 26 anos de idade. Eu não me permitia falhas, equívocos, erros, tudo tinha que dar certo e conforme o tempo que eu mesma estipulava, nunca soube assimilar perdas e ainda não sei. Aos 13 anos  eu decidi que precisava mudar de escola, pois, estava por iniciar o ensino médio e tinha que ter condições de concorrer por uma vaga no PEIES - UFSM, meus pais fizeram o maior esforço e me matricularam em uma escola particular.
Conforme minhas metas, recém feitos 17 anos eu ingressava na universidade federal, muitas foram as dificuldades para meus pais conseguirem me manter e sabendo disso o me esforço e dedicação eram grandes. Fiz 21 anos dia 15 de dezembro de 2004, minha formatura de gabinete ocorreu 17 de janeiro de 2005, comecei a trabalhar como coordenadora pedagógica na APAE - Santiago em 18 de fevereiro de 2005.
Comecei a realizar todos os concursos públicos que surgiam, não porque não gostasse do que  fazia, muito pelo contrário, amo o trabalho institucional e tenho vínculos até hoje lá dentro, mas, precisava de estabilidade, segurança, fundo de previdência, essas coisas. Em todos os concursos me saí muito, mas, muito bem, alguns não tive a oportunidade de ser nomeada por incompetência administrativa de gestores públicos, que fazem concursos caça níqueis, já em outros fui nomeada, podendo chegar num momento profissional de escolher qual a melhor opção de trabalho. Fiz duas especializações e tinha planos de um mestrado mas, ficou só como plano, o acidente veio antes.
E, neste momento, encontra-se o ponto x, para que tudo isso, todo esse corre - corre, para que atropelar o tempo? Eu cronometrei a minha vida até os 26 anos para que eu pudesse ter estabilidade, sou funcionária pública desde os 22 anos de idade, estava com 3 empregos, casa, carro, moto e futilidades, me dava o luxo até de umas viagens...estava tudo pronto para que se acontecesse alguma coisa eu pudesse ficar afastada do serviço com "proventos" e aconteceu!
Aconteceu o pior! Um acidente que me deixou afastada por 7 meses, deveria ser por mais tempo, mas, contrariei ordens médicas e retornei ao trabalho.
Daí fico tentando achar os porquês...porquê era tão metódica, sistêmica e levava tudo tão a sério, para agora ter a estabilidade que buscava para ficar em casa me recuperando?
Bom, se for para isso, passo a aconselhar os jovens a festiarem, abusarem do dinheiro dos pais, reprovarem na faculdade, aproveitarem, sugarem, esgotarem a vida.
A vida não foi correta comigo como eu tento ser com ela!
Ana Paula

domingo, 5 de junho de 2011

Projetos!

É meus queridos, continuo correndo atrás dos cavalos de que falei anteriormente, rsrsrsr... (oportunidades), tomara que consiga encilhar cavalos de raça crioula.
Consigo, finalmente, começar a fazer planos, criar metas, fazer projetos, mesmo que estes não sejam diretamente relacionados a mim. Acredito, que seja um começo, que mais cedo ou mais tarde voltarei a realizar projetos para mim, tanto de ordem pessoal, quanto profissional. Enquanto isso, quando vejo um cavalinho continuo correndo atrás, nem que seja para encilhá-lho para amigos, pois, um dia alguém já me ajudou a colocar encilha, rsrrsrs...papo brabo né?!rsrrsrs...Mas, é verdade, sou muito grata pelas oportunidades que tive, tanto as "boas", quanto as "não tão boas", pois, representam o que sou hoje. Lembro das pessoas que me estenderam a mão e das que fecharam a porta na minha cara. Pretendo ter sempre meus braços abertos e minhas mãos indicando caminhos.
Em breve, contarei a vocês sobre qual projeto estou falando!
Ana Paula

As amizades!

Ao mesmo tempo que tenho perdas, consideráveis, para o pouco tempo neste plano, venho acumulando conquistas, indescritíveis, indiscutíveis...as amizades.
Foi um final de semana de reecontro, reecontro com algumas pessoas muito, mas, muito importantes na minha vida, amigos verdadeiros, os quais o contexto fez com que ficássemos distantes, em cidades diferentes, contudo, unidos em sentimento.
Amizades é assim, não importa quanto tempo vamos ficar sem nos vermos, ou até falarmos, mas, o dia em que a vida proporcionar e permitir que nos reencontremos vai ser a farra de sempre. Amigos se conhecem pelos olhos ou até pelo caminhar, são aqueles que temos a confiança que se precisar é só "gritar", ou melhor, quando pensarmos em gritar eles já estarão ao nosso lado.
Oh meus amigos, obrigada! Sou muito feliz por tê-los em minha vida...
Obrigada pelo final de semana!
Ana Paula

quinta-feira, 2 de junho de 2011

Oportunidades...Crioulo ou Pangaré?

Cresci ouvindo minha mãe dizer: "- O cavalo só se passa encilhado uma vez e temos que montar!"
Acho que levei a sério o ditado, não lembro de ter perdido uma única oportunidade. Porém, não sei se elas vinham até mim ou eu que corria atrás delas, ou seja, não sei se um dia existiu um cavalo encilhado para eu montar ou eu montei os cavalos que ía encontrando, mal domados ou nem domados ainda,rsrsrsrrs, achando que era o tal cavalo que tanto minha mãe falava. Simplificando, já estou acreditando que criamos oportunidades, elas não caem do céu, jamais passarão na nossa frente nos chamando se não estivermos preparados, capacitados, habilitados a "agarrá-las"!
Vou ter que mudar o ditado, depois de muitos anos acreditando nele, agora discordo...há muitos, muitos cavalos (oportunidades), mas, a escolha do cavalo é nossa, de acordo com a nossa personalidade e formação é que colocaremos a encilha certa, no momento certo.
Se nos dedicarmos, talvez possamos conseguir um "cavalo crioulo" , mas, se nos acomodarmos, vamos ter que nos consolar com um "pangaré".
Ana Paula

Dor!

Ao digitarmos no Google a palavra Dor vamos encontrar muitos sites, materiais científicos ou não, para o público em geral e/ ou para profissionais. No entanto, eu, leiga, mas, ser humano que sou e legitimada a falar sobre o assunto pela vivência, classifico a Dor em dois grandes grupos: Dores Físicas e Dores da Alma.
No grande grupo das Dores Físicas, elas podem vir das mais variadas formas e combatidas pela farmacologia, porque geralmente sabe-se a origem. Quando crônicas, aprendemos a exercitar a mente para minimizarmos, deixarmos em segundo plano, darmos foco a outra coisa... ela não vai passar, mas, por um tempo podemos nos distrair e "esquecer dela" , ou pelo menos não senti-la tão intensa.
O problema está no segundo grupo, as Dores da Alma, que inevitavelmente, acabam por provocar dores físicas, essas não tem jeito, são as mais difícies de cura, pois, muitas vezes desconhecemos a causa ou a negamos, outras conhece-se a causa, mas, não se pode fazer nada para mudar as consequências, por exemplo, a perda.
Passei muita dor, passo e passarei ...morfina diária para conseguirem fazer os curativos entre outras que nem descrevo para não correr com os amigos que acessam o blog, rsrsrsrsr...mas, lhes digo, a maior e a pior dor, a insuportável e desatinante, é a Dor da Alma causada por uma perda.
Talvez a maioria de vocês não esteja entendendo essa ladainha toda, mas, precisava escrever, porque sinto uma doooooorrrrrr por uma perda, assim como alguns amigos muito próximos sentem, essa dor vem carregada de saudade, porquês e até, porque não dizer, revolta.
Não sei se essa dor tem cura ou se o negócio é se acostumar a conviver com ela!
Ana Paula

quarta-feira, 1 de junho de 2011

Trânsito!

Uah!
Que coisa maluca!
Adoro dirigir, adoro estrada e a possibilidade de aproximar distâncias. Mesmo depois do acidente, continuo gostando, deve ser porque não lembro de nada, tenho lembranças a partir do 5º dia de hospitalização. É até irônico, gostar de algo que quase me levou para o andar de cima, ou para o de baixo, rsrsrrsrs...ainda no hospital, um médico, hoje grande amigo, Dr. Harrisson, perguntou qual era a coisa que eu gostaria de fazer assim que saisse do hospital, todos esperavam que eu respondesse que queria tomar banho, afinal, já faziam 21 dias que banho só no leito,srsrsrsr..., porém, para surpresa de todos, respondi: - Quero dirigir!
Contudo, levei um pouco mais de três meses, após o acidente, para dirigir e hoje pego estrada todo dia.
E esse "pegar estrada" tem me proporcionado assistir cenas assustadoras, de completa imprudência, irresponsabilidade e descaso com a vida. Sem falar, em nossas rodovias, sem acostamento ou qualquer sinalização. Uma soma perfeita, uma equação de adição, imprudência + péssimas condições de rodovia = acidente (soma ou total = morte ou invalidez).
Ontem, me escapei de mais uma...meu anjo da guarda estava sentado no meu ombro quando uma carreta, em uma daquelas curvinhas que vai para Nova Esperança, resolveu utilizar além da sua pista a pista contrária, que coincidentemente eu estava. Hoje pela manhã, na mesma estrada, encontrei um motoqueiro sendo socorrido. E agora, pela tarde, outro acidente com moto, bem próximo do acidente ocorrido pela manhã.
Que doideira, ainda estou me remendando do último acidente e me escapo por pouco de outro.
O problema é que em situações como esta fico quase que em pânico, acho que é o tal de inconsciente mastigando fatos passados. Depois, respiro fundo e tento acreditar que o raio não cai duas vezes no mesmo lugar,rsrsrrsrs...Corremos cada vez mais riscos e quem mais se expõe mais chance tem de ser premiado, ou seja, quem está na chuva é para se molhar!
Ana Paula