sábado, 13 de agosto de 2011

Uma faixa de música!

Um CD que fica rodando numa faixa, inúmeras vezes...roda, roda, roda...mas, eu não coloquei naquela música, muito menos gosto dela, entretanto, continua rodando, rodando, rodando, rodando...até a exaustão!
De manhã, a primeira percepção é logo a do CD a rodar. Durante alguns momentos do dia, mesmo ele rodando, consigo me distrair por alguns segundos, mas, logo ele volta tocar na minha cabeça, vou deitar com ele, a essa altura, já martelando ao meu ouvido.
Essa é a cabeça de alguém que não consegue assimilar fatos, essa é a minha cabeça na maioria das vezes, me envolvo com o trabalho, com a família, mas, meu maior tempo e energia é gasto pensando na desgraça que aconteceu com a minha vida. Não acho e sei que não acharei explicações, mas, não há conforto ou consolo para a estupidez com o que aconteceu comigo, no auge da minha vida profissional, numa fase ímpar na vida pessoal, fase de crescimento, de construção, de realização etc, fiquei ao chão, quase a baixo dele.
Não há Igrejas, doutrinas, ceitas ou seja lá o que for que expliquem tamanha violência. Se eu tivesse que passar por isso para aprender algo, desculpem-me, mas, ninguém aprende na dor, muito menos eu. Se tivesse algo a pagar, com certeza nem dessa vida seria, porque não tive tempo de aprontar tanta merda. Se fosse para provar que tem alguém mais forte que eu, ora bolas, não precisava quase me matar, era só me mandar um recado, afinal, nunca duvidei disso e também já não fizeram tantas aparições? Se fosse para me monstrar que eu era forte, eu não precisava saber dessa forma, até porque, nunca pedi para ser.
Só sei que ganhei um corpo cheio de dores, uma cabeça cheia de dúvidas, medos, inseguranças, um coração cheio de mágoas, rancores, desilusões, desesperanças, enfim, roubaram uma vida cheia, cheia de boas expectativas/ sonhos e me deixaram em troca esse lixo, incapaz de querer comprar um pacote de balas.
Ana Paula