sexta-feira, 13 de maio de 2011

Aeromodelos!

Fico pensando pq me encantei por aeromodelos...
Tá, tudo bem, talvez tenha sido influenciada pelo meu grande amigo Vagner...
Mas, penso porque ele também se encantou, assim como tantas outras pessoas.
Além de um hobby, esporte, lazer etc, acredito que tenha algo mais...
Algo a ver com "mecanismos de defesa",rsrsrrsrs...sim, porque desligamos da realidade e voamos para bem longe, para onde quisermos, ou para lugar algum, rsrsrsrrs.
Naquele momento, temos o poder de decisão sobre nosso trajeto, o que nem sempre na vida conseguimos, viajamos e esquecemos de todas as preocupações mundanas, somos crianças, mecânicos, pilotos etc.
Ainda temos a oportunidade de fazermos amizades, falar de futilidades (aos olhos dos outros é claro), porque para a gente o avião é um bem muito importante!
Aconselho aos amigos que procurem paixões, "mecanismos de defesa", "pontos de fuga" ou sei lá que nome vão dar para o objejo ou atividade motivo de prazer.
Ana Paula

Pensamentos!

Preciso escrever, pode ser que assim organizo os pensamentos, é...os pensamentos! Penso demais e isso as vezes me atrapalha porque não consigo mais planejar...e planejar é bom!
Antes eu planejava, antes do pesadelo, agora não consigo e acho falta disso, na verdade acho falta de muita coisa, de muitas coisas que não voltarão a ser como eram.
Mas, a vida é assim, fazemos planos, traçamos metas e a vida mostra num certo dia que não somos nada, ninguém e que somos muito, mas, muito frágeis.
Daí temos que provar a ela o quanto temos de força interior e vontade de ficar nesse mundo, nem sempre os dias são fáceis e as noites se tornam bem longas mas, lembrança de velhos sonhos, planos e metas ajudam nessa hora.
Quando estamos por jogar a toalha, olhamos ao redor e levantamos, não por si mesma, mas, pelos nossos queridos que compartilham o momento de dor.
Dessa forma, passam os segundos, minutos, dias, meses, 1 ano, 1 ano e 2 meses de recuperação...
Nesse momento, me jogo no trabalho, porque não aguento mais a rotina de hospital, procedimentos, revisões, exames, fisioterapias etc. O trabalho me aproxima da vida que levava antes do pesadelo, é a única pontinha que me liga a uma vida saudável.
Assim transito entre dois mundos, duas vidas e tento achar o equilíbrio!
Ana Paula

Silêncio!

Ontem eu escrevi sobre o impacto das palavras, hoje sobre o impacto do silêncio.
Acabei de chegar de uma consulta...
E aí senti o peso do silêncio, na verdade, tenho sentido muito o peso do silêncio, quando ele vem dos médicos causa insegurança, medo, questionamentos...antes eu gostava mais do silêncio, talvez porque não o entendia. Sou muito falante, tagarela etc, usava o silêncio como exercício de concentração, para focar numa atividade mas, não via outro sentido.
Começo a compreender alguns momentos, sentimentos, atitudes que pela correria que vivia, ou pelo menos era essa a desculpa, não os percebia.
Não sei se este é um momento de sensibilidade, mas, a realidade é que tudo tem um peso muito grande.
Hoje foi a vez do silêncio de um médico que me assustou! 
Ana Paula

Palavras!

Continuo escrevendo, talvez aqui nem seja o lugar apropriado, mas, escrever tem ajudado. Nos últimos dias tenho pensado no impacto das palavras na vida das pessoas. Antes eu brincava, concordava com o poeta, palavras vão com o vento, hoje acho que nem sempre vão com o vento!
Podem detonar com uma pessoa ou mostrar novos horizontes!
Poxa, e nós professores, olha o poder que temos...poder demais na língua de alguns, rsrsrsrsr!!!!
Penso neste momento sobre isso, pela repercussão de uma fala que fiz num Seminário...inevitavelmente, penso que se descobríssemos o poder que temos haveria sim uma mudança social, cultural etc. Muitos já descobriram e não sabem como utilizar, outros preferem se omitir e tantos outros nem sonham do que são capazes.
O negócio é que falar tem efeito sim, pelo menos para as pessoas pensarem sobre...
Ana Paula

Minha Luta!

Amigos!
Quem me conhece sabe da minha luta, ou melhor, da luta da minha vida!
Não sei se escolhi a profissão ou ela me escolheu, mas, enfim, aqui estou e tento cumprir com meu papel social de educadora especial.
Confesso, nem sempre é uma tarefa muito fácil, pois, o que digo mexe, ou deveria mexer, com muita gente, principalmente com gestores públicos.
Quando exponho minhas idéias, inevitavelmente, acabo me expondo. Pois, os apontamentos que faço muitas vezes são compreendidos como algo “pessoal”, quando na verdade estou apenas lutando pela garantia dos direitos das pessoas com deficiência.
Vivemos num Estado Democrático de Direito. Sendo assim, a Educação é um direito básico/ fundamental, em nossa Constituição não diz "exceto" para deficientes. Contudo, há uma dívida histórica com esta parcela da população, hoje há uma política nacional de Educação Especial na Perspectiva da Educação Inclusiva (2008), mas, precisamos de políticas públicas municipais, estaduais que agreguem as diferentes áreas (saúde, assistência social etc).
Não podemos nos esquecer que a escola é uma "célula" da sociedade, precisamos pensar em inclusão em outros espaços sociais, precisamos pensar nas barreiras arquitetônicas e, também, nas atitudinais.
Pretendo utilizar este espaço virtual para reflexão acerca de questões sérias como esta e de tantas outras mais banais do nosso cotidiano.
Um forte abraço...

Ideologias!

Chega um momento na vida em que você já tem condições para ser você mesmo, ter seu próprio discurso, posicionar-se, assumindo suas ideologias e lutando por tudo aquilo que acredita valer a pena.
Mas, quando você percebe que suas ideologias, coincidem com as de outras pessoas, no meu caso, com as de todas aquelas pessoas que por algum motivo ficam à margem da sociedade, a luta fica mais interessante. Pois, nesse momento, você percebe que o sonho não é somente seu e que você não tem mais o direito de desistir dele. Porque não lutar por ele, agora, torna-se uma omissão e com a sua omissão você permitirá situações desumanizantes.


ANA PAULA GATIBONI FACCIN
Educadora Especial